quinta-feira, 12 de julho de 2012

ARREPENDIMENTO FOTOGRÁFICO.


Cantava a minha musa pessoal SIMONE, lá pelos idos da década de 80-e-eu-era-criancinha:


Só uma coisa me entristece
O beijo de amor que não roubei
A jura secreta que não fiz
A briga de amor que não causei...

Cantava a baiana, sobre o arrependimento amoroso, sobre o que deveria ter feito para e pelo seu amor e não fez.

E eu quero falar sobre o “arrependimento fotográfico”.
Quero falar sobre a foto que não tirei.

Não sei se acontece com você, caro e quase inexistente leitor.
Mas eu, mesmo quando não tenho minha máquina fotográfica à mão, estou sempre olhando o mundo com um “olhar fotográfico”. Estou sempre procurando motivos para uma foto, uma ângulo inusitado, uma luz diferente.

E não é incomum eu falar para quem está a meu lado: “Isto daria uma foto legal!”.

Normalmente, não tiro essa foto, porque não estou com a máquina perto.
Às vezes, não tiro a foto, porque, apesar de estar com a máquina, não consigo parar o carro (por exemplo) para tirar a foto.

Mas (e é aqui que eu queria chegar), as vezes não tiro a foto por pura VERGONHA...

Explico com um exemplo, de uma coisa que me aconteceu ONTEM.
Estou de férias, aqui na minha Campos do Jordão.
Assim, passo muito tempo com minha máquina na mão.
E ontem, saí para uma prosaica ida ao mercado para comprar detergente.

No caminho, o trânsito parou por alguns segundos.
E, em uma “pracinha” que tem por aqui, surgiu a oportunidade de uma foto maravilhosa.

A tal “pracinha” tem alguns equipamentos de ginástica.
E em uma barra horizontal, uma mulher se exercitava.
Eu só a vi de costas, não podendo dizer qual era a sua idade.
Pelos movimentos que realizava, não era uma “senhora de idade”.
Mas, não sei dizer se era uma “menina”, uma “moça” ou uma “mulher”.

Só sei que, enquanto eu estava parado, ela alçou o corpo sobre a barra, ali se equibrando, colocando toda a parte superior do corpo acima da barra.
E como estava vestida com uma roupa de ginástica de um vermelho vivo, mais o contraste com o verde da pracinha, com os trilhos do trenzinho ao fundo, a luz do sol de montanha vindo de lado, a cena ficou linda!

Mas o trânsito andou.
Não deu tempo nem de pensar em pegar a máquina.

Havia, mais a frente, um local onde eu poderia ter parado o carro.
Mas não deu coragem.

Já pensou eu parando o carro, pegando a máquina, voltando para a tal pracinha e pedindo para a menina/moça/mulher para repetir o movimento, para que eu a fotografasse?

Mesmo explicando minhas intenções, mesmo esclarecendo que eu sou só um fotógrafo amador a procura de uma boa foto, de duas uma: ou ela chamaria a polícia, me chamando de tarado ou, mais prática, me daria um tabefe ali mesmo...

Dirão alguns: “Tá, mas talvez ela ficasse orgulhosa de seu interesse e permitisse a foto”.

E isso, nunca saberemos.

Só uma coisa me entristece...


(EM RAZÃO DA MINHA COVARDIA EM TIRAR A FOTO, 
ESTE POST NÃO SERÁ ILUSTRADO COM NENHUMA IMAGEM)

Um comentário:

  1. Bom dia,sou anderson da equipe detetive-particular.org ,quero falar que o blog ta de parabens gosto muuito dele,muito bem feito!!!...me recomendaram e estou acompanhando...recomendação hoje é tudo..to precisando saber se esse site aqui é bom por que eu to precisando de um rastreador de carro,moto entre outros alguem conhece o http://www.rastreadorgps.org/ ? se alguem souber de uma referencia me da um toque,e parabens pelo blog bom demais!!

    ResponderExcluir

Comente. Mas lembre-se: blog é meu! Se for escrever bobagens e/ou baixarias, SERÁ CENSURADO. Sem dó nem piedade.
ATENÇÃO: SE NÃO ESTIVER CONSEGUINDO POSTAR SEU COMENTÁRIO, EXPERIMENTE, NA CAIXA "COMENTAR COMO", LOGO ABAIXO, MARCAR "ANÔNIMO". MAS NÃO ESQUEÇA DE ASSINAR SEU COMENTÁRIO.